Na Madeira vemos, com bastante frequência, cachalotes, baleias-piloto e baleias de Bryde, golfinhos comuns, pintados e roazes.

Photo by Rota dos Cetáceos

As águas da Madeira são um paraíso tanto para os cetáceos como para os apaixonados pela vida marinha selvagem. O arquipélago revela-se como um dos melhores lugares no mundo para a observação dos maiores e mais inteligentes mamíferos marinhos. Das 78 espécies conhecidas, 27 passam por estas águas, por vezes a apenas 50 metros da costa. Não é por acaso que o ‘Sítio Cetáceos da Madeira’ é candidato a Sítio de Interesse Comunitário na Rede Natura 2000. O projeto aposta na conservação dos recursos marinhos e evidencia as características oceanográficas e ecológicas do mar da Madeira, tornando-se ponto de passagem obrigatório do turismo científico.

Momentos muito zen

É neste mesmo mar da Madeira que Pedro Mendes Gomes, CEO da Rota dos Cetáceos, encontrou a sua segunda casa. A empresa é pioneira na observação de vida marinha no arquipélago e tem sido um exemplo de boas práticas e um parceiro do Governo Regional na regulamentação da atividade.

Photo by Rota dos Cetáceos

Apesar de pertencer a uma família que em tempos praticou a caça à baleia, Pedro apenas dispara na máquina fotográfica. O apaixonado pela observação de cetáceos garante que no ano de 2017 teve 349 dias de avistamentos e que 2018 tem revelado ainda mais cachalotes com crias e até uma baleia azul.

O cachalote é o maior dos cetáceos com dentes e estes podem ser maiores do que uma banana da Madeira. Contudo, a sua grande dimensão não impede a graciosidade de movimentos nem o autêntico maravilhamento perante a sua presença.

Nadando com golfinhos

É claro que há algumas regras a seguir na observação destes seres fascinantes e enormes. A equipa de biólogas marinhas da Rota dos Cetáceos dá sempre um briefing antes de cada viagem a explicar as regras de segurança e de boa convivência com os cetáceos. Não alimentar as espécies, evitar a aproximação além dos 100 metros, reduzir o barulho ao mínimo são algumas das recomendações. Pedro acrescenta mais uma:  não deixar a observação para o último dia das férias. É que apesar de garantir sempre uma viagem grátis se não houver avistamentos (o que é raro, visto que a taxa de observação é de 99,9%), o melhor é prevenir.

Photo by Rota dos Cetáceos

Para além de observar, é possível nadar com os golfinhos. “Não é natação livre, somos a primeira empresa no mundo a fazer a natação com golfinhos com as pessoas agarradas por um cabo ao barco”. Assim garante-se um ambiente seguro para ambas as espécies. “Pessoalmente, prefiro ser dos primeiros a chegar ao mar de manhã, quando os animais estão mais calmos”. Os golfinhos comuns e os golfinhos pintados “são curiosos e afáveis”, o que faz deles os mais adequados para a aproximação de humanos. “Basta trazer o fato de banho e uma toalha. A empresa fornece máscaras, tubo, seguro e fato térmico no inverno. As biólogas marinhas explicam o procedimento de como entrar na água e interagir com os animais”, explica Pedro.Outra atividade da empresa são os charters privados, com capacidade até 10 pessoas, onde se pode conhecer o arquipélago a bordo de um Iate Princess V50 – 3 M´s de 16 metros.

Preços:

Observação de cetáceos: Adultos €49.90 | 6 a 11 anos: €34.50 | até 5 anos: Gratuito

Natação com golfinhos: Adultos: €65.00 | 6 a 11 anos: €43.00 | até 5 anos: Gratuito

Charters: sob consulta

Contactos:

Rota dos Cetáceos

Marina Shopping – Centro Comercial Infante, Avenida Arriaga, 75, loja 247 | rotacetaceos@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*
*

RESERVE JÁ